sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

A crise segundo Einstein

Não podemos querer que as coisas mudem, se fazemos sempre o mesmo. A crise é a melhor benção que pode acontecer às pessoas e aos países, porque a crise trás progresso.


A criatividade nasce da angústia como o dia nasce da noite escura. É na crise que nasce os novos inventos, as descobertas e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera-se a si mesmo, sem ficar "superado". Quem atribui a crise os seus fracassos ao seu próprio talento, dá mais importância aos problemas que às soluções.
A verdadeira crise é a crise da incompetência.
O inconveniente das pessoas e dos países é a preguiça para encontrar saídas e soluções. Sem crise não há desafios, sem desafios a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há méritos. É na crise que surge o melhor de cada um, porque sem crise todo o vento é uma brisa agradável.

Falar de crise é promove-la, e calar a crise é exaltar o conformismo. Em vez disto, trabalharemos arduamente. Acabemos de uma vez todas com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.

Albert Einstein


2 comentários:

Tatiana disse...

Olá,

Concordo contigo quando dizes que " A verdadeira crise é a crise da incompetência".
Estamos rodeados de incompetentes... Contudo, estamos também rodeados de egoístas que apenas olham para si mesmos e que não querem saber de soluções nem de trabalho. Apenas se preocupam com o seu próprio mundo.
Enquanto não tivermos uma revolução de mentalidades, vamos viver sempre em "crise".

Bjinhos

Tatiana

mipsilva disse...

Grandes ideias. Mais fácil de pensar do que de pôr em prática, mas, de facto, se as crises são catárticas podem ser também grandes criadoras...Reflexão em grande